Tantra Yoga

Trata-se de uma ciência originária nas montanhas do Himalaia ao norte da Índia, descrita nas obras dos Vedas, (ensinamentos antigos difundidos há mais de 7.000 anos).
[Tan] é a expansão e [tra] é liberação. De forma simplificada, podemos toma-lo como a libertação das amarras individuais e coletivas através da expansão da mente. Trata-se de uma prática que trabalha o desenvolvimento integral das esferas física, psíquica e energética, levando ao autoconhecimento verdadeiramente profundo.

No ocidente, o termo Tantra acabou sendo usado de forma equivocada, referindo-se tão somente a um objetivo sexual.

A prática de Tantra Yoga, assim como no Hatha Yoga, consiste em três etapas:

Etapa 1- A produção e captação da energia física através dos ÁSANAS (posturas de Yoga), realizando as ativações biopsicológicas, isto é, estimulações metabólicas, endócrinas/glandulares que influenciam o sistema dos chakras, promovendo maior desempenho físico (força, flexibilidade, equilíbrio, resistência) e a “massagem” de órgãos internos e o equilíbrio hormonal. Os ásanas são trabalhados de forma específica através das repetições e exercícios respiratórios adequados.

Etapa 2 – A transformação/transmutação de energia física em energia psíquica. Esta canalização de energia é potencializada pelos PRANAYAMAS (prana = energia vital/ yama = controle). Tais práticas (essencialmente respiratórias) tem por objetivo harmonizar o fluxo de energia entre os chakras, que são os centros de controle e fonte das frequências psicoemocionais, possibilitando o equilíbrio no sistema nervoso, facilitando os processos que levam a uma maior clareza na contemplação dos pensamentos, aliviando o stress e o descontrole sobre a ansiedade.

Etapa 3 – A introversão/canalização da energia psicoemocional para o atman (núcleo essencial do Ser), ou seja, a conversão de energia mental em energia espiritual, não estando relacionado com a formação de crenças religiosas, mas sim com a expansão da percepção e redescobrimento de nossa verdadeira essência. Para isso são utilizadas os dharanas (exercícios de concentração) e a dhyana (meditação), trazendo a consciência para a sua forma de atenção plena no presente momento.

Por isso não se deve nunca confundir Yoga com exercício meramente físico. Nas palavras do Prof. Hermógenes, tratar o Yoga como exercício físico é como comer a casca da banana e jogar a polpa fora!

Fica aqui o convite para você se aprofundar em si mesmo e realizar o estado de Tantra Yoga.